Como posso ajudar o meu filho em casa?

Como posso ajudar o meu filho em casa?

Estabeleça hábitos regulares em casa. Estabeleça horários específicos para levantar-se,
para as refeições, brincar ou jogar, fazer os trabalhos de casa, ver televisão, ir para a
cama. Escreva este horário numa folha de papel e coloque-o num lugar onde a
o possa ver online task manager. Se o seu filho(a) não sabe ler, use desenhos e símbolos para demonstrar
as de cada dia. Embora, no início, as possam protestar, se os
persistirem, os seus filhos ganharão confiança e segurança. Explique, adiantada-mente,

qualquer alteração da rotina.

o Estabeleça as regras da casa. Estabeleça regras simples, claras e curtas para a
família. E importante que os pais tornem as regras explicitas, quer dizer, que a
criança saiba exactamente o que se espera dela e que, expliquem quais são as
consequências quando se obedecem as regras e quando não se cumprem as
regras familiares. Pode escrever estas regras numa folha de papel e colocá-la
num lugar onde a criança a possa ver, tal como o horário. Assegure-se que as
instruções foram entendidas. Para dar uma ordem ou instrução, primeiro
obtenha a atenção do seu ñlho e olhe para ele directamente nos olhos. A
partir daqui diga-lhe com uma voz clara e calma especiñcamente o que quer.
As instruções devem ser simples, breves e concretas. Depois peça-lhe para

Repetir as instruções. Para as tarefas mais complexas, dê-lhe só uma ou duas
instruções de cada vez.

Elogie a criança quando esta completar cada passo.
Responda de forma proporcional à “infracção”.

Quando o seu filho(a) não cumpre as regras ou responde com actos de
indisciplina, pense alguns instantes e avalie o que aconteceu de modo a dar
uma resposta proporcional à importância da “infracção”. O castigo deve ser
justo e curto. Não é aconselhável que o faça com castigos fisicos; pelo
contrário, por exemplo, quando a criança não acabar uma certa tarefa
combinada de antemão, é muito eficaz que a criança perca alguns privilégios
já adquiridos (por exemplo, não jogar computador durante hora e meia como
combinado).

Seja positivo. Diga ao seu ñlho(a) o que ele deve fazer, não o que não deve
fazer. Em vez de insistir no carácter perturbador do comportamento da
criança, são mais aconselháveis as referências positivas às suas capacidades e
aos êxitos que ela consegue obter. Assim, premeie o seu filho(a) regularmente
pelo bom comportamento, até nas coisas mais pequenas, como vestir-se ou
fechar uma porta calmamente. As crianças com PHDA, muitas vezes, passam
os seus dias a ouvir os adultos a dizerem-lhes as coisas que estão a fazer mal
e poderão convencer-se de que elas próprias é má e de que nunca
conseguirão fazer nada bem feito.

Seja consistente. Prometa apenas o que pode realmente oferecer. Faça o que
disse que iria fazer. E importante que reaja a determinado comportamento do
seu filho(a), por exemplo, trepar para cima do sofá, da mesma forma cada vez
que ele o faz, isto é, não castigue uma vezes e outras ache muita graça, rindo
e batendo palmas. Assim o seu ñlho(a) não aprende se o comportamento dele
é adequado ou desadequado.

Esteja atento aos sinais que prevêem uma birra. Os pais devem estar atentos
e perceber os sinais que prevêem a proximidade de um episódio de birras,
desobediência, rebeldia, etc. Deste modo, ser-lhes-á mais fácil controlar estes
sinais, afastando a criança da situação de conflito, distraindo-a, por exemplo,
com pequenos jogos, etc.

Não se esqueça dos efeitos da observação e imitação. As crianças observam o
que ocorre à sua volta e reproduzem, depois, os aprendidos.
Por isso, não é conveniente recorrer a ameaças e castigos físicos que, para
além de gerarem e sentimentos negativos nas crianças, podem ser
aprendidos e praticados por elas, no futuro.

Por agora descanse e deixe o seu ñlho descansar. Aproveitem bem as férias e alguns
dias antes das aulas começarem visite novamente o nosso site, pois teremos mais
sugestões para lhe oferecer, por exemplo:

Ajudar a preparar a ida para a escola.
Estabelecer a rotina para as tarefas da escola.
Focar-se no esforço e não nas notas.